JULHO_FOTO_Investimento estratégico em tecnologia_da novidade à necessidade

Investimento estratégico em tecnologia: da novidade à necessidade

23/07/2020 às 18:17

Segundo o estudo “Mercado Brasileiro de Software – Panorama e Tendência 2019”, realizado em parceria entre a Associação Brasileira de Empresas de Software (ABES) e a International Data Corporation (IDC), os investimentos em Tecnologia da Informação no Brasil cresceram 9,8% em 2018, mais do que o dobro registrado anteriormente, de 4,5% no ano de 2017.

 

O levantamento, que posiciona o Brasil no 9º lugar no ranking mundial de investimentos em TI, além de revelar uma forte tendência do mercado interno para aportes no segmento, destaca a importância e necessidade de modernização das empresas. O processo, visto como inevitável pelas mudanças dos últimos anos, deve ainda permitir a maior eficiência das instituições, contribuindo ainda para um custo menor das operações.

 

“Quando falamos de investimentos em tecnologia, estão inclusos também novos métodos e dinâmicas de trabalho, além de treinamento especializado para que os profissionais possam desempenhar melhor os seus serviços nos novos cenários”, avalia Ricardo Montanher, diretor da Horizons Telecom, especializada em telecomunicações, internet e tecnologia da informação.

 

Ele explica ainda que, além da aquisição de hardwares e softwares eficientes, é necessário apostar em uma modernização institucional de forma holística, processo que envolve todos os setores da instituição. “O investimento em tecnologia deve incluir diversas áreas, desde o atendimento ao pós-venda. Esse planejamento pode ser dividido em etapas, mas é importante pensar no processo como um todo”, complementa.

 

Atualmente, a maioria das opções no mercado possuem foco na automatização dos processos, a exemplo de ferramentas de gerenciamento de pagamentos, gestão de projetos e processos contábeis, programas para otimização da comunicação interna e externa, entre outros. “Não existe uma receita pronta, já que as empresas possuem necessidades distintas. Por isso, é preciso pensar estrategicamente essas mudanças em função dos resultados e segurança que esses dispositivos podem agregar”, conclui.